NOTÍCIAS

Saneamento Básico · 26 out, 2018

Estado investe na redução de perdas e abastecimento de água em Bonito

A Sanesul (Empresa de Saneamento de MS) deverá licitar em novembro deste ano a obra que resolverá definitivamente o problema da falta de água em Bonito. O projeto de redução e controle de perdas financiado pela Caixa Econômica Federal complementa outros investimentos realizados pelo Governo do Estado, na gestão do candidato à reeleição Reinaldo Azambuja (PSDB), nesses três anos e nove meses, totalizando mais de R$ 8,9 milhões em saneamento básico no município.

 

Bonito enfrentava o grave problema de desabastecimento, gerando transtornos a um dos principais destinos de ecoturismo do País, principalmente em grandes eventos. Desde o início da atual gestão, a Sanesul vem se empenhando em melhorar o serviço de fornecimento de água com qualidade e sem interrupção, o que demanda estudos de concepção e grandes investimentos uma vez que o subsolo da cidade tem características calcarias.

 

Nos últimos anos, por meio da Sanesul, o Governo do Estado aplicou R$ 4.563.815,70 em obras de melhorias e ampliação do sistema de abastecimento de água e esgotamento sanitário, a maioria já concluída. Está em execução a expansão da rede de distribuição de água na Vila Jardim Andréia em 460 metros. Está previsto ainda a ampliação da rede de abastecimento na Vila Machado e implantação do sistema de telemetria.

 

Obra sustentável

 

O contrato com a Caixa Econômica para a obra de redução e controle de perdas, no valor de R$ R$ 4.325.174,32, já foi assinado pelo governador Reinaldo Azambuja e pelo diretor-presidente da Sanesul, Carlos Fábio Gomes. De acordo com o governador, a redução de perdas de água tratada tem sido uma preocupação constante da sua administração e representa "um avanço para Bonito, por tudo a região representa no nosso turismo e desenvolvimento".

 

Para o diretor-presidente da Sanesul, a redução de perdas, do ponto de vista estratégico é de grande interesse da empresa, pois beneficiará em nível social, ambiental e econômico a cidade de Bonito. "Sabemos que menores índices de perdas garantem que haverá quantidade de água potável suficiente para atender os usuários, assegurando que os recursos hídricos e financeiros estão sendo utilizados de forma eficiente e sustentável", afirmou.