NOTÍCIAS

Campanha · 26 out, 2018

Justiça mantém vídeo que mostra filho de Odilon indo falar com Puccinelli na cadeia

Magistrado negou pedido de Odilon para retirar propaganda que mostra Odilon Junior entrando na prisão

 

A Justiça Eleitoral negou pedido para proibir a exibição da propaganda que mostra o coordenador de campanha e filho do candidato Juiz Odilon (PDT) entrando na cadeia para falar com o ex-governador André Puccinelli (MDB, antigo PMDB). Um pedido de direito de resposta contra o vídeo também foi negado. As duas decisões são do juiz-auxiliar Juliano Tannus, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS).

 

No vídeo, que Odilon tentou censurar, Odilon critica o MDB, chamando o partido de “quadrilha”. Em seguida, o filho dele e coordenador da campanha, Odilon Junior, aparece entrando na cadeia para falar com Puccinelli – a maior liderança do partido em Mato Grosso do Sul. Na sequência, Odilon agradece o apoio emedebista. “Eu aceito de coração e de alma o apoio do MDB”.

 

“A publicidade não é caluniosa, difamatória ou injuriosa, porquanto não ataca a pessoa do candidato Odilon de Oliveira, mas critica o fato de que o referido candidato ter aceitado publicamente apoio político do MDB, mesmo já tendo feito duras críticas ao partido, inclusive por supostos casos de corrupção”, afirmou o juiz-auxiliar Juliano Tannus. 

 

Tannus lembra ainda que as informações são verdadeiras e foram noticiadas pela imprensa. “É verdade que a peça de publicidade apresenta conteúdo desfavorável ao candidato Odilon de Oliveira. Porém, o candidato é também uma figura pública, que fez críticas a determinada agremiação partidária para, após, aceitar apoio político-eleitoral da mesma agremiação, situação essa que, aliás, foi alvo de noticiário jornalístico”.

 

Puccinelli está preso desde julho. Ele foi detido pela Polícia Federal na operação Lama Asfáltica, que investiga crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.